Manifestações

Via Crucis


A via-crúcis[1] (do latim Via Crucis, "caminho da cruz") é o trajeto seguido por Jesus carregando a cruz, que vai do Pretório até o Calvário. O exercício da via-sacra[2], como também é chamada, consiste em que os fiéis percorram, mentalmente, a caminhada de Jesus a carregar a Cruz desde o Pretório de Pilatos até o monte Calvário, meditando simultaneamente na Paixão de Cristo. Tal exercício, muito usual no tempo da quaresma, teve origem na época das Cruzadas (do século XI ao século XIII): os fiéis que, então, percorriam, na Terra Santa, os lugares sagrados da Paixão de Cristo, quiseram reproduzir, no Ocidente, a peregrinação feita ao longo da Via Dolorosa em Jerusalém. O número de estações, passos ou etapas dessa caminhada foi sendo definido paulatinamente, chegando à forma atual, de quatorze estações, no século XVI[3]. O exercício da via-sacra tem sido muito recomendado pelos Sumos Pontífices, pois ocasiona frutuosa meditação da Paixão de Jesus Cristo.

Esta reflexão é baseada nas tradicionais quatorze estações ou etapas, em que cada uma apresenta uma cena da Paixão a ser meditada pelo discípulo de Cristo:

Estação: Jesus é condenado à morte
Estação: Jesus carrega a cruz às costas
Estação: Jesus cai pela primeira vez
Estação: Jesus encontra a sua Mãe
Estação: Simão Cirineu ajuda a Jesus
Estação: Verônica limpa a face de Jesus
Estação: Jesus cai pela segunda vez
Estação: Jesus encontra as mulheres de Jerusalém
Estação: Jesus cai pela terceira vez
Estação: Jesus é despojado de suas vestes
Estação: Jesus é pregado na cruz
Estação: Jesus morre na cruz
Estação: Jesus é descido da cruz
Estação: Jesus é Sepultado
Estação: Ressurreição de Jesus
Os fiéis que fizerem isoladamente, ou em grupo, a via sacra, podem lucrar as seguintes indulgências: 1º: uma indulgência plenária por cada vez; 2º: uma segunda indulgência plenária, se comungarem nesse mesmo dia; do mesmo podem lucrar duas plenárias se, tendo percorrido a via sacra dez vezes, comungarem dentro do mês. Não é requerida qualquer oração vocal, nem qualquer demora para cada estação. Tão pouco é exigido que se reze seis Pai-Nossos, seis Ave-Marias e seis Glórias no fim, posto que essa prática seria muito louvável. Mas é indispensável 1º: percorrer sucessivamente as 14 estações, exceto em vias sacras públicas; 2º: percorrê-las sem interrupção notável; 3º: meditar na Paixão do Senhor.

O Papa João Paulo II sugeriu uma décima-quinta estação na Via Sacra para recordar a Ressurreição de Cristo, el




Topo